06/11/2019
17:00
Rivoli – Palco do Grande Auditório
A mão da febre

com 

Rita Castro Neves

A Mão da Febre é uma palestra-performance inspirada pelo regresso à América do Sul da febre-amarela. Esta antiga doença está profundamente ligada às plantações de açúcar, que criaram um ambiente ideal para o aedes aegypti, o mosquito vetor trazido do continente africano para as Américas nos navios negreiros europeus. Será um acaso que este retorno coincida com a subida de Bolsonaro ao poder?

A artista brasileira Vivian Caccuri, conhecida pelo cruzamento de música e artes visuais na sua prática artística que aborda questões relacionadas com condicionamentos históricos e sociais, parte de estudos científicos de epidemiologia e ecologia para desenhar e debater ligações entre a cana-de-açúcar, a febre-amarela, o catolicismo, as interações coloniais na música e suas consequências nos novos corpos sul-americanos. Sob a forma de uma “alucinação histórica”, em A Mão da Febre Vivian Caccuri faz uso de uma peça musical que ela própria compôs num órgão de tubos, a que se juntam desenhos, imagens históricas, vídeos, sons e a sua própria voz para contar essa história semificcional. Após a palestra-performance, a artista estará em conversa com Rita Castro Neves, artista visual, curadora e docente na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto.