06/11/2019
19:00
Rivoli – Palco do Grande Auditório
In the wake: on blackness and being

com 

Cristina Roldão

Em quaisquer condições meteorológicas, os navios iam e vinham, de Portugal e de outros países europeus, para África e depois para a América, seguindo uns na esteira dos outros na rota transatlântica dos escravos. Quinhentos anos de um ‘clima’ de travessias de roubo, pilhagem e servidão. Hoje os navios zarpam de Zlitene e Trípoli, sobrelotados com migrantes, naufragando muitas vezes antes de atingirem a costa europeia.

A escritora e professora na Universidade de York Christina Sharpe partirá do seu livro In the Wake: On Blackness and Being para debater as representações artísticas, visuais e quotidianas da vida negra. Sharpe tem desenvolvido um trabalho seminal usando um “arquivo cultural negro” para posicionar o conceito de negritude no centro da teoria contemporânea. Recorrendo a múltiplas aceções da palavra inglesa ‘wake’ – a esteira deixada por um navio, o velar os mortos, o despertar para um estado de consciência –, Sharpe traça um esboço daquilo que sobrevive apesar da violência e da negação persistentes, numa conversa moderada pela socióloga e investigadora do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (IUL) Cristina Roldão. Neste ‘clima’ que persegue a vida negra contemporânea na diáspora, a respiração é cortada, literal e metaforicamente – nas palavras de Frantz Fanon, “revoltamo-nos simplesmente porque já não conseguimos respirar”. É urgente olhar para esta nossa história (e presente) com outro olhar, com um olhar provido de cuidado e solidariedade, contra a violência da abstração. Partindo desta perspetiva e criando espaços de produção artística, de resistência, de consciência e de possibilidade de vida na diáspora, Christina Sharpe oferece-nos um caminho possível.


Tradução simultânea