05/11/2019
17:00
Rivoli – Palco do Grande Auditório
Keep calm e aprende Bengali

com 

Shumon Basar

A assunção europeia e americana de prerrogativa e soberania sobre a história gira em torno da ideia de que as suas narrativas são as únicas que contam. O artista e ensaísta Naeem Mohaiemen nasceu em Londres, filho de pais bengalis, e cresceu no então recém-independente Bangladesh. Na sua prática artística – que envolve ensaios, instalações, filmes de ficção e documentários – o que o move é exatamente refazer histórias, abordando frequentemente narrativas periféricas, utopias socialistas falhadas e processos de descolonização.


Naeem Mohaiemen, nomeado em 2018 para o Turner Prize, contará nesta artist talk moderada pelo escritor, pensador e crítico cultural Shumon Basar, como cresceu, tal como qualquer criança no Bangladesh, a aprender bengali por herança e por dever, enquanto o inglês era contrabando e escape. Ao longo deste percurso o inglês tornou-se no modo de acesso a uma ideia tortuosa de modernidade. No seu trabalho existe uma constante relação, particularmente complexa, entre antropologia, história e imagem em movimento. Os seus filmes são em inglês, mas há quem critique essa opção por achar que ela significa uma aceitação das condições que o capital impõe à circulação da cultura: acima de tudo, eficiência. O inglês alicerça os fluxos da cultura, misturado com o triunfalismo do capitalismo como cultura mundial. Do outro lado, a aceitação: cidades e pessoas, sedentas de absorver essa cultura. O artista afirma: “Pensamos em nós próprios como parte de um “nós”, porque o projeto do século passado foi a monocultura.”